No cabe duda de que la pandemia mundial ha dejado a su paso una grave crisis, pero, ahora que han llegado las vacunas y se vislumbra algo de luz al final del túnel, ¿qué va pasar en la economia post COVID? ¿Cuáles son los efectos directos de esta recesión global y cómo se espera que las personas reaccionen?

Previsiones contradictorias

Si miras las distintas previsiones de los Bancos Centrales, de las consultoras y de las compañías de inversión, es normal que sientas cierta confusión. Aunque todos coinciden en que, en el momento en el que se empiece a alcanzar la inmunidad de grupo, la economia global va a tener una recuperación, no terminan de coincidir en la forma y la velocidad a la que se va a producir.

Por ejemplo, el banco de inversión Morgan Stanley aseguraba que, según sus predicciones, el PIB global iba a caer en 2020 un 3,5 % y rebotaría en este año un 6,4 %. Por su parte, el FMI también predice un rebote, pero en este caso más moderado. Estimó una caída del 3 % y sitúa el crecimiento en el 5,8 %.

Quien más se acercó con sus previsiones fue quien había planteado un escenario más pesimista. La OCDE se quedó a solo 3 puntos de acertar. Dijo que caeríamos un 4,5 % y hemos terminado el 2020 con un crecimiento negativo del 4,2 %. Si también aciertan con sus estimaciones, este 2021 seremos testigos de un incremento del 5 %.

Los efectos de una crisis sin precedentes

Aunque todos los analistas coinciden en que este año por fin veremos crecimiento, el futuro de la economia se plantea como algo incierto. Además de las consecuencias actuales de la enfermedad y la incertidumbre, parece evidente que los consumidores han adoptado nuevos hábitos de vida que se mantendrán en el tiempo y que pueden cambiar las reglas del juego. En definitiva, aunque sabemos que algunas cosas cambiarán para siempre, es difícil prever de manera realista el impacto a largo plazo.

La digitalización y virtualización

Si la tecnología ya estaba muy integrada en tu vida, con la llegada de la pandemia se ha convertido en una herramienta imprescindible. Si eres empresario, habrás visto cómo la posibilidad de virtualizar tu negocio durante este periodo ha sido una tabla de salvación.

Las restricciones para salir de casa y el miedo al contagio han hecho que, lo que ya era una tendencia, se acelerase. Gracias a las facilidades y a la comodidad que permiten el comercio electrónico y la conectividad, y teniendo en cuenta que antes de la COVID ya estaban siendo exitosas, no se espera que la tendencia vaya a frenarse

El desempleo

Otra de las formas en las que la pandemia ha afectado a todas las economías por igual ha sido dejando unas cifras de desempleo muy elevadas. El mercado laboral se recuperará de manera paralela a la economía y, dependiendo de sus fuentes de riqueza y de la estructura de cada PIB, observarás velocidades diferentes. Estas dependerán de las posibilidades de reanudar la actividad económica y de la dependencia de otros países.

Incremento en la desigualdad

Otro efecto importante en la economía y en los negocios será el aumento en la desigualdad. Si bien es innegable que estamos ante una crisis sin precedentes, las principales fortunas de Estados Unidos han incrementado un 30 % su patrimonio neto. La polarización de la riqueza va a traer también cambios en los segmentos de consumo. Habrá más oportunidades en el lujo y en el low cost.

La economía en Andorra

Teniendo en cuenta que la economia de Andorra depende en gran medida de los visitantes extranjeros (un 40 % de nuestro PIB depende el turismo de invierno), es posible que notemos una ligera mejoría en los meses de verano, pero que la esperada recuperación solo sea evidente hacia finales de este año. Si tienes en cuenta las restricciones de movilidad en Cataluña y Francia, nos afectan considerablemente, así que para que la riqueza fluya tendremos que esperar a tener las fronteras abiertas.

Respecto a la política fiscal, según las declaraciones de Jordi Gallardo, se espera que siga siendo expansiva, ya que no se prevén incrementos en los impuestos. Para el responsable de economía, mantener la competitividad fiscal es clave. Esto dará algo de oxígeno a las empresas, que no verán disminuir sus beneficios por un incremento de las tasas.

Sabiendo que nos enfrentamos a un escenario incierto, es importante controlar la inflación. Si controlas el crecimiento de tus precios, ayudarás a que tus consumidores no pierdan poder adquisitivo. Cuando esta tendencia es generalizada, se fomenta el consumo y que el dinero circule en la economía.

Como puedes ver, aún tenemos pocas certezas sobre la economía post COVID. Aunque todos parecen coincidir en que en 2021 veremos de nuevo datos positivos en el crecimiento, la forma en la que se producirán y el momento en el que llegarán aún son un enigma.

Las reformas fiscales y administrativas aplicadas en Andorra desde 2012 han sido una atractivo para la inversión extranjera y han despertado el interés de empresas, pymes y profesionales para elegir el Principado para sus nuevos negocios.

La pandemia y el postconfinamiento han acrecentado esta tendencia por el atractivo de pagar menos impuestos y, en parte, gracias a la irrupción del teletrabajo, entre profesionales y autónomos.

Las gestorías y consultoras andorranas especialistas en procesos de inversión extranjera avanzan que las peticiones de residencia por cuenta propia –es decir, permiso para establecer una actividad económica y una residencia– en el Principado se doblarán en 2020, pasando de las habituales 250 solicitudes por año a más de 400, un 60% más, según una encuesta realizada entre 25 despachos profesionales.

En 2019, Andorra registró 2.408 solicitudes entre las residencias por cuenta propia y las vinculadas a un permiso de trabajo por cuenta ajena.

La mayoría de las solicitudes provienen de España, un 68%, y Francia, un 17%. Son técnicos especializados en informática, tecnología, el ámbito digital (e-commerce, Youtube, programadores de sistemas o programarios)… que ya trabajan a distancia y con unos ingresos superiores a 200.000 euros brutos anuales y a quienes preocupa la calidad de vida, pero también la fiscalidad y buscan una alternativa para vivir. La capital Andorra la Vella, La Massana o Ordino son los principales emplazamientos elegidos.

La pandemia del coronavirus, su impacto económico y la incertidumbre sobre posibles cambios en política fiscal en España, ha sido el detonante de muchos profesionales para los que la permanente inseguridad jurídica es una amenaza. Sus temores se acrecentaron en pleno confinamiento cuando Unidas Podemos lanzó en mayo una propuesta para crear un impuesto a grandes fortunas con el objetivo de paliar las desigualdades generadas por la crisis económica del coronavirus, planteó la tasa digital y bancaria y retomó su propuesta de la expropiación en sectores como el bancario, eléctrico o agrícola.

Justamente, Mueller explica que tras un parón entre marzo y mediados de abril, las peticiones para residir en Andorra se han disparado “sobre todo por parte de personas que tienen su vivienda en lugares próximos, como Cataluña o el sur de Francia, pero también de España o el resto del estado francés”.

La diferencia con la cifra de expedientes de otros años es que “ahora no sólo eligen el país para constituir una sociedad sino que quieren vivir en el Principado“, añade. “La fiscalidad española es un castigo para profesionales bien retribuidos”, defiende este consultor, “especialmente en territorios como Cataluña con tasas de casi el 50% o cuando Hacienda interpreta que la constitución de una sociedad limitada corresponde a un socio único y obliga a tributar también por IRPF”.

Mientras, con un impuesto sobre la renta del 10% como máximo, Andorra ofrece múltiples ventajas, cobertura de seguridad social y atención médica competitivos, y un coste aceptable en gastos de vivienda, alimentos y servicios públicos.

En lo que va de año, en el Principado también ha repuntado la demanda de latinoamericanos que tienen un vínculo con España y que con la situación actual valoran establecerse fuera, en este caso más por la calidad de vida y por no estar restringida la movilidad internacional por el coronavirus, que por la fiscalidad. Asimismo, Mueller indica que las autoridades andorranas quieren en atraer nuevos profesionales por cuenta propia, “ya que es recurrente que algunos trabajadores por cuenta ajena abandonen el país en momentos de dificultad económica para volver a sus países de origen (España o Portugal)”.

Trámite legal

A nivel legal, la residencia activa por cuenta propia en Andorra está vinculada a la creación de una sociedad, por eso, el primer paso de los nuevos residentes es crear una sociedad para darse de alta en una actividad para a posteriormente pedir la residencia por cuenta propia. Este permiso es válido durante un año y luego hay que validarlo por periodos de dos años hasta llegar a 10 años. Es un proceso largo, porque la petición va acompañada del cumplimiento de una serie de requisitos (como la presentación del certificado sobre antecedentes penales).

Para pedir la residencia por cuenta propia en Andorra el interesado debería tener por lo menos 21% de las acciones de la sociedad, ser uno de los administradores y trabajar a cuenta propia, es decir, como autónomo societario cotizando a la seguridad social. Desde mayo de 2018, el gobierno requiere una fianza no remunerada de 15.000 euros.

Las reformas fiscales y administrativas aplicadas en Andorra desde 2012 han sido una atractivo para la inversión extranjera y han despertado el interés de empresas, pymes y profesionales para elegir el Principado para sus nuevos negocios.

La pandemia y el postconfinamiento han acrecentado esta tendencia por el atractivo de pagar menos impuestos y, en parte, gracias a la irrupción del teletrabajo, entre profesionales y autónomos.

Las gestorías y consultoras andorranas especialistas en procesos de inversión extranjera avanzan que las peticiones de residencia por cuenta propia –es decir, permiso para establecer una actividad económica y una residencia– en el Principado se doblarán en 2020, pasando de las habituales 250 solicitudes por año a más de 400, un 60% más, según una encuesta realizada entre 25 despachos profesionales.

En 2019, Andorra registró 2.408 solicitudes entre las residencias por cuenta propia y las vinculadas a un permiso de trabajo por cuenta ajena.

La mayoría de las solicitudes provienen de España, un 68%, y Francia, un 17%. Son técnicos especializados en informática, tecnología, el ámbito digital (e-commerce, Youtube, programadores de sistemas o programarios)… que ya trabajan a distancia y con unos ingresos superiores a 200.000 euros brutos anuales y a quienes preocupa la calidad de vida, pero también la fiscalidad y buscan una alternativa para vivir. La capital Andorra la Vella, La Massana o Ordino son los principales emplazamientos elegidos.

La pandemia del coronavirus, su impacto económico y la incertidumbre sobre posibles cambios en política fiscal en España, ha sido el detonante de muchos profesionales para los que la permanente inseguridad jurídica es una amenaza. Sus temores se acrecentaron en pleno confinamiento cuando Unidas Podemos lanzó en mayo una propuesta para crear un impuesto a grandes fortunas con el objetivo de paliar las desigualdades generadas por la crisis económica del coronavirus, planteó la tasa digital y bancaria y retomó su propuesta de la expropiación en sectores como el bancario, eléctrico o agrícola.

Justamente, Mueller explica que tras un parón entre marzo y mediados de abril, las peticiones para residir en Andorra se han disparado “sobre todo por parte de personas que tienen su vivienda en lugares próximos, como Cataluña o el sur de Francia, pero también de España o el resto del estado francés”.

La diferencia con la cifra de expedientes de otros años es que “ahora no sólo eligen el país para constituir una sociedad sino que quieren vivir en el Principado“, añade. “La fiscalidad española es un castigo para profesionales bien retribuidos”, defiende este consultor, “especialmente en territorios como Cataluña con tasas de casi el 50% o cuando Hacienda interpreta que la constitución de una sociedad limitada corresponde a un socio único y obliga a tributar también por IRPF”.

Mientras, con un impuesto sobre la renta del 10% como máximo, Andorra ofrece múltiples ventajas, cobertura de seguridad social y atención médica competitivos, y un coste aceptable en gastos de vivienda, alimentos y servicios públicos.

En lo que va de año, en el Principado también ha repuntado la demanda de latinoamericanos que tienen un vínculo con España y que con la situación actual valoran establecerse fuera, en este caso más por la calidad de vida y por no estar restringida la movilidad internacional por el coronavirus, que por la fiscalidad. Asimismo, Mueller indica que las autoridades andorranas quieren en atraer nuevos profesionales por cuenta propia, “ya que es recurrente que algunos trabajadores por cuenta ajena abandonen el país en momentos de dificultad económica para volver a sus países de origen (España o Portugal)”.

Trámite legal

A nivel legal, la residencia activa por cuenta propia en Andorra está vinculada a la creación de una sociedad, por eso, el primer paso de los nuevos residentes es crear una sociedad para darse de alta en una actividad para a posteriormente pedir la residencia por cuenta propia. Este permiso es válido durante un año y luego hay que validarlo por periodos de dos años hasta llegar a 10 años. Es un proceso largo, porque la petición va acompañada del cumplimiento de una serie de requisitos (como la presentación del certificado sobre antecedentes penales).

Para pedir la residencia por cuenta propia en Andorra el interesado debería tener por lo menos 21% de las acciones de la sociedad, ser uno de los administradores y trabajar a cuenta propia, es decir, como autónomo societario cotizando a la seguridad social. Desde mayo de 2018, el gobierno requiere una fianza no remunerada de 15.000 euros.

Artículo de “El Economista”

A chanceler Maria Ubach anuncia que as negociações com a Holanda, Bélgica e Hungria sobre o acordo de não dupla tributação estão em andamento e devem ser encerradas este ano. O mesmo não acontece com a Alemanha, que considera que Andorra não tem atividade económica suficiente para os motivar a negociar. Em vez disso, as negociações com a Itália poderiam começar em breve, assim como com a Áustria, o que poderia facilitar as negociações com a Alemanha.

Leia o artigo https://www.elperiodic.ad/noticia/81005/andorra-tanca-acords-fiscals-amb-paisos-baixos-belgica-i-hongria

A residência passiva ou sem fins lucrativos em Andorra é destinada às pessoas que vivem no Principado, mas não são empregadas por nenhuma das empresas estabelecidas lá. Essa é a melhor maneira de obtermos uma autorização de residência legal sem ter um contrato de trabalho no país.

A residência sem fins lucrativos é especialmente voltada para aqueles que podem provar renda suficiente para sobreviver sem emprego e que obtêm financiamento legalmente, seja através de pensões, fundos imobiliários, juros bancários ou qualquer outro meio demonstrável.

A residência sem fins lucrativos (passiva) é especialmente interessante para as pessoas que não ficam no país por um longo tempo, pois exigem apenas que você fique lá por 90 dias, em vez das 183 solicitadas por um outros tipos de autorizações de residência. Dessa forma, temos disponibilidade para viajar durante a maior parte do ano.

Mais especificamente, a residência passiva visa:

  • Investidores em Andorra.
  • Pessoas suscetíveis a interesses científicos, culturais ou esportivos.
  • Profissionais e empreendedores com projetos, de qualquer tipo, em nível internacional.

Como veremos mais adiante, para concluir a inscrição, você deve estar no país e ter mais de 18 anos (no caso de menores, você não precisa estar fisicamente lá). Os regulamentos andorranos permitem que, uma vez aprovadas as categorias mencionadas acima, elas possam ser trocadas no caso de a sua situação também mudar, embora em conformidade com os requisitos. Isso é para manter as “cotas de imigração” que o governo emite periodicamente, evitando assim a imigração descontrolada.

Requisitos para obtenção de residência passiva

Em 2020, as autoridades andorranas atualizaram os requisitos para que pudéssemos optar pela residência passiva no Principado. Mas esses requisitos diferem, dependendo das categorias. Se sua categoria for investidor, você deverá conhecer os seguintes pontos:

  • Tenha uma propriedade em Andorra ou um contrato de aluguel.
  • Invista em um imóvel no valor de pelo menos 350.000 euros ou pague esse valor em um fundo de banco em Andorra.
  • Fique no país por um tempo mínimo de residência de 90 dias.
  • Certificado de boa conduta.
  • Seguro médico privado.
  • Atestado médico emitido em Andorra.
  • Apresente que você tem uma renda superior a 300% do salário mínimo andorrano.

Além de tudo isso, você deve deixar um depósito de mais de 50.000 euros, mais 10.000 euros por dependente, no Instituto Nacional de Finanças Andorrano (INAF) até que a residência passiva seja resolvida. Ou seja, estamos falando de um depósito reembolsável, mas sem juros, desde que você invista um total de 400.000 euros no país, dentro de seis meses após a solicitação. Esses investimentos são muito detalhados no site do governo andorrano, mas se referem basicamente a investimentos imobiliários ou financeiros.

Dentro desta categoria, a administração andorrana estabelece dois modelos, A e B. Assim, os residentes da categoria A também podem formar uma empresa de gestão andorrana. Na prática, é a categoria mais simples e sua resposta geralmente leva de três a oito semanas.

O modelo B é um pouco mais complicado, pois exige que você faça pelo menos 85% da atividade comercial no exterior, embora você possa empregar andorranos (também com um número máximo). Sua administração pode levar entre um e três meses, pois o plano de negócios deve ser avaliado por vários departamentos governamentais. Quando eles aprovam, os cartões de residência são emitidos três a seis semanas depois. Depois de ter, você pode começar a formalizar a empresa dentro do Principado.

Requisitos por razões científicas, culturais ou desportivas

É sabido que muitos atletas espanhóis estão registrados em Andorra, por exemplo, o ex-tenista Arantxa Sánchez Vicario; o tenista Carles Moyà; os motociclistas Álex e Pol Espargaró, Jorge Lorenzo e Dani Pedrosa, entre outros. O Principado também exige deles e de todos aqueles que desejam residência passiva por razões científicas, culturais ou esportivas.

  • Passaporte.
  • Certificado de estado civil.
  • Contrato de locação residencial ou documentação de compra.
  • Prova de qualidades científicas, culturais ou esportivas.
  • Conformidade da renda superior a 300% do salário mínimo andorrano.
  • Certificado de boa conduta.
  • Atestado médico emitido em Andorra.
  • Aposentadoria, invalidez ou seguro de pensão, dependendo do caso.
  • Depósito de mais de 50.000 euros, mais 10.000 euros por dependente, no INAF (Autoridade Financeira Andorrana) até que a residência passiva seja resolvida.

Estamos falando de uma permissão que precisa ser revisada e renovada pelo primeiro ano e, depois disso, a cada três anos.

Requisitos para empreendedores com projetos internacionais e para aposentados

Com este tipo de residência passiva, a autoridade do Principado concede uma permissão especial para todos aqueles que desejam abrir uma empresa em Andorra, mas os serviços são projetados internacionalmente. Estes seriam os requisitos:

  • Contrato para alugar ou comprar uma casa em Andorra.
  • Justificação de renda suficiente.
  • Tempo mínimo de residência de 90 dias.
  • 85% da renda deve ser gerada em outros países que não Andorra.
  • A sede principal da empresa deve estar em Andorra.
  • Credenciamento do plano de negócios a ser desenvolvido.
  • Justificação da pensão de aposentação, invalidez ou seguro de pensão, se aplicável.
  • Faça um depósito de mais de 50.000 euros, mais 10.000 euros por dependente, no INAF até que a residência passiva seja resolvida.

Finalmente, dizer que esta autorização de residência é válida por dois anos e pode ser renovada por mais dois anos e com uma extensão de três anos. Após sete anos, a próxima renovação durará 10 anos consecutivos.

Passos para solicitar residência passiva

O gerenciamento da residência passiva sem fins lucrativos em Andorra não é complicado, desde que você atenda aos requisitos acima. No entanto, lembre-se de que as etapas a seguir serão diferentes, dependendo da categoria em que você está se candidatando.

Uma vantagem importante é que você pode fazer parte da administração do seu país de origem e depois ir ao Principado apenas para formalizar sua solicitação e receber uma autorização de residência passiva. Como você ainda não tem essa permissão para esta visita, precisará viajar com um visto de turista, o que permitirá que você esteja legalmente no país por um total de 90 dias.

Se, durante esse período, você não puder preencher o requerimento por qualquer motivo, não terá outra opção a não ser retornar ao seu país, solicitar um novo visto e retornar ao Principado, para tentar novamente.

Diferentes tipos de autorizações de residência em Andorra

Existem aproximadamente seis autorizações de residência em Andorra, embora possam ser agrupadas em duas categorias bastante diferentes: ativa e passiva (que desenvolvemos no início deste artigo). A diferença entre os dois reside, acima de tudo, na atividade profissional que é realizada. Enquanto você estiver ativo, poderá solicitar a primeira, se tiver uma permissão de trabalho e realizar uma atividade profissional ou profissional lá. A segunda (passiva) é, como dissemos no início, a possibilidade de viver legalmente no Principado, sem realizar nenhuma atividade laboral.

Além desses dois grandes grupos, existem inúmeras permissões de trabalho de residência que foram criadas especificamente para atender a determinadas necessidades profissionais, que não atendem aos requisitos acima. Nesta modalidade, existem também dois tipos principais: generais e trabalhadores transfronteiriços.

Se você é um residente ativo, pode solicitar residência para o reagrupamento familiar de:

  • Seu cônjuge ou parceiro estável.
  • Seus filhos menores e os filhos menores de seu cônjuge, se você tiver a guarda legal.
  • Seus filhos adultos e filhos de seu cônjuge dependente que possuam tutela legal ou instituição semelhante.
  • Seus aposentados ou com mais de 65 ascendentes.
  • Qualquer pessoa sobre a qual você tenha tutela legal ou similar, desde que ambos os pais tenham perdido a autoridade dos pais.

Vantagens de ter uma residência andorrana

Como em qualquer país do mundo, a residência legal em um país em que você não nasceu permitirá que você desfrute de todos (ou quase todos) os benefícios usufruídos por seus cidadãos, além de também ter suas obrigações. Mas o mais importante é o da livre circulação. No caso de Andorra, a residência sem fins lucrativos será usada para fazer tudo isso:

  1. Você pode solicitar a cidadania andorrana se tiver uma autorização de residência há mais de 20 anos.
  2. Você terá o direito de livre circulação, tanto na Espanha quanto na França, já que Andorra tem acordos com dois países, embora o Principado não faça parte da União Europeia.
  3. Uma das vantagens mais atraentes (e que já mencionamos anteriormente) é poder usufruir do regime tributário de Andorra, especialmente no que diz respeito a bens de consumo. Seus impostos são muito baixos (você não pagará mais de 10% do que ganha, o que é impensável em outros países) e não há encargos tributários, como ganhos de capital, impostos sobre dividendos corporativos ou impostos sobre a riqueza.
  4. Facilite para a sua família também obter a residência enquanto faz seu próprio aplicativo.
  5. Você desfrutará de uma vida muito tranquila, em um cenário natural maravilhoso e com uma taxa de criminalidade muito baixa.
  6. Os sistemas de saúde pública e educação são caracterizados por serem muito eficientes e de alta qualidade, e qualquer pessoa que tenha residência pode se beneficiar de ambos.

Principais impostos do Principado

Embora menos impostos sejam pagos no Principado de Andorra do que outros países europeus, isso não significa que não haja alguns para apoiar o país. O mais importante é o imposto de renda pessoal, que na Espanha conhecemos como imposto de renda pessoal. Desde 2015, o imposto de renda pessoal tornou-se o principal imposto do país, que deve ser pago por todos os residentes, independentemente da nacionalidade.

É um sistema simplificado e muito transparente ao qual os trabalhadores independentes, empregados e empregadores são obrigados. Nem todo mundo é obrigado a pagar, como por exemplo, aqueles que ganham menos de 24.000 euros serão completamente isentos, o que é impensável em outros países e demonstra o alto padrão de vida no Principado.

A próxima parcela do imposto de renda pessoal, que fica entre 24.000 e 40.000 euros, teria uma taxa de imposto de 5%, enquanto a receita anual superior a 40.000 euros terá uma taxa de imposto de 10%. Como é o caso em todos os lugares, existem várias deduções para diminuir a taxa relacionada aos fundos de pensão, despesas gastas na compra de uma casa ou na família ou na situação individual das pessoas (como se eles têm ou não filhos, etc.). )

Em Andorra, as declarações de imposto de renda são feitas entre 1 de abril e 30 de setembro.

Outras taxas importantes são, por exemplo, o imposto geral indireto (IGI), um valor tributário que não encontramos na Espanha, mas na França, pois se assemelha ao IVA francês e tributa bens e serviços de consumo. Está muito longe do IVA espanhol e de outros países europeus, já que os andorranos alcançam apenas 4,5%. Na prática, isso significa que o país está se tornando um lugar muito atraente, em termos fiscais, especialmente para as empresas.

Em suma, a residência sem fins lucrativos (ou passiva) em Andorra foi projetada para todas as pessoas que desejam morar no Principado sem precisar trabalhar lá. Esta é uma permissão interessante para investidores, pessoas ilustres do setor científico e esportivo e empresários com projetos internacionais. Andorra é um país muito interessante, em termos fiscais, e suas autorizações de residência lhe darão muitas vantagens, incluindo tirar proveito dos baixos impostos sobre o consumo, viajar livremente na Espanha e na França e desfrutar de uma educação e cuidados de saúde de alta qualidade.

Andorra és un petit país situat als Pirineus i que, des del final de la Segona Guerra Mundial, s’ha caracteritzat pel seu dinamisme econòmic, gràcies a la seva fiscalitat avantatjosa. Expliquem les raons i avantatges per a venir a aquest país, i els impostos que fan d’Andorra un lloc interessant per a invertir.

Per què invertir a Andorra

Andorra és un país que compta amb unes bones infraestructures per carretera amb la resta de continent, una economia dinàmica i en creixement i una mà d’obra qualificada. Durant els anys 1950, va passar de ser un país aïllat i pobre a un dels Estats més rics de la planeta, que el fa un destí interessant per a invertir.

La forma de govern és el Coprincipat parlamentari, des de la promulgació de la Constitució de 1993 i els successius governs s’han caracteritzat per la prudència, introduint reformes fiscals moderades i prioritzant l’activitat econòmica privada com a motor de desenvolupament econòmic de país.

En primer lloc, és important dir que Andorra no es considera un paradís fiscal des de febrer de 2011, quan van entrar en vigor els convenis de doble imposició amb Espanya però, tot i això, la fiscalitat a Andorra és molt atractiva a la majoria dels impostos respecte als seus veïns.

En segon lloc, tot i que Andorra no és membre de la Unió Europea, si manté un acord d’unió duanera, de manera que els productes no han de pagar aranzels (a excepció dels agrícoles), i la moneda de curs legal al país és l’euro.

Finalment, cal destacar que, juntament amb les reformes fiscals, Andorra va obrir les portes de bat a bat a la inversió estrangera.

Impostos a Andorra

Invertir a Andorra
Invertir a Andorra: els avantatges del país i els impostos més comuns.

Els impostos més importants a Andorra són l’IGI, l’Impost de Societats, l’IRPF, l’IRNR que destaquen per tenir uns tipus mitjans molt inferiors als d’Espanya i França.

La fiscalitat a Andorra és un dels seus principals valors, tant per adquirir articles com per vendre’ls o establir una societat i, per descomptat, en el cas de voler invertir i residir en aquest petit país dels Pirineus.

Impost General INDIRECTE (IGI)

L’equivalent andorrà de l’Impost sobre el Valor Afegit (IVA) és l’Impost General INDIRECTE (IGI), amb un tipus de gravamen del 4,5% per als articles de consum habituals, i hi ha un tipus reduït de l’1% i un tipus superreduït del 0%.

En comparació, només cal recordar que el tipus general de l’IVA és de el 21% a Espanya i de l’20% a França.

Impost de Societats (IS)

Les possibilitats per a invertit en Andorra són molt interessants per a qui vulgui establir una societat. Una empresa a Andorra es regeix per l’Impost de Societats, que tributa a un 10%, un tipus realment baix en comparació amb el 25% d’Espanya i el 33,3% de França.

Estructures empresarials com els Hòldings tributen al 0%.

Per a crear una societat a Andorra, ja no cal que un ciutadà andorrà tingui el 49% del capital, com en el passat. Avui és possible que els no residents estableixin societats mercantils al país amb garanties per als inversors, amb una autorització prèvia de govern.

Impost sobre la Renda de les Persones Físiques (IRPF)

L’Impost sobre la Renda de les Persones Físiques (IRPF) d’Andorra es diferencia del que regeix a Espanya o França en el fet que no és progressiu, ja que compta amb un tipus general del 10% per les rendes de més de 24.000 euros.

En comparació, els tipus marginals a Espanya oscil·len entre l’exempció per a les rendes més baixes i el 45%, similars als de França.

Impost sobre la Renda dels No-Residents (IRNR)

L’Impost sobre la Renda dels No-Residents (IRNR) és un tribut que ha implantat el Govern d’Andorra en el marc de les mesures d’harmonització fiscal amb el seu entorn més proper. Grava els serveis o rendiments que obtenen els no-residents al país pirinenc amb un 10% sobre el valor total; s’inclouen conferències, lloguers d’habitatges, treballs temporals o pensions.

Tanmateix, és important destacar que estan exempts de l’IRNR dels dividends que es percebin d’una societat radicada a Andorra, la compravenda internacional de mercaderies i interessos de capital mobiliari, de manera que segueix oferint avantatges comparatius interessants pel que fa a les figures fiscals a Espanya o França. Cal no oblidar que els dividends, a Espanya, estan subjectes a una retenció del 19%.

Altres tributs

Finalment, cal assenyalar que a Andorra hi ha altres tributs que graven la contractació d’assegurances, els hidrocarburs, les transmissions patrimonials, el joc i les plusvàlues de comptes corrents, entre d’altres. Aquestes figures impositives són similars a les que estan vigents a Espanya i França.

Establir un negoci a Andorra

Per a crear societat a Andorra, únicament es requereix un capital mínim i autorització governativa en el cas de ser estranger. Els dos tipus de societats mercantils que es poden crear són la Societat Limitada (SL) i la Societat Anònima (SA), amb capitals mínims de 3.000 i 60.000 euros, respectivament, similars als necessaris a Espanya; també hi ha la figura de la SL unipersonal.

Per a invertir a Andorra amb aquesta opció, es requereix un domicili social físic al país i un administrador. Avui, és possible comptar amb el 100% del capital sent estranger, però, si es tindrà més del 10%, s’haurà de sol·licitar una autorització governativa. En tot cas, cal indicar que, en els últims anys, el Govern d’Andorra està especialment interessat a fomentar la inversió estrangera, i els tràmits s’han accelerat.

En Plus Serveis i Família ens dediquem principalment a assessorar i gestionar tot el necessari perquè es pugui establir-se en aquest país.

Som el Plus que necessita, tenim els Serveis que necessita, li rebem com Família.

Imatge de Tomasz Hanarz en Pixabay
Foto de Venta creat per jcomp – www.freepik.es

Suspensão temporária de contratos de trabalho e redução do horário de trabalho (ERTO)

Artigo 7. Objeto

período temporário durante o qual a pessoa assalariada continua a ingressar na empresa, mas é suspensa ou reduzida ao desenvolvimento efetivo de seu dia útil.

Artigo 9. Escopo de aplicação temporário

período de 1º de maio de 2020 aos 180 dias corridos após o dia em que o Governo declara, por decreto, o fim da situação emergencial de saúde causada pela pandemia da SARS-CoV-2, com o limite máximo temporário de 31 de dezembro de 2020.

Artigo 11. Empresas e requisitos beneficiários

As empresas que atendem aos seguintes requisitos podem ser elegíveis para suspensão temporária de contratos de trabalho ou redução do horário de trabalho:

Que eles estão legalmente estabelecidos no Principado de Andorra.

Que eles suspenderam sua atividade, obrigatoriamente por decreto do Governo e voluntariamente, ou
Eles estão sujeitos a um regime de guarda ou permanência por decreto do Governo, ou
Que eles são ou abertos e autorizados a abrir por decreto do governo, mas:
• Demonstre uma diminuição no volume de negócios igual ou superior a
50% (em comparação com o ano anterior ou o mês de fevereiro de 2020, se não foram constituídos) .
• Embora não mostrem uma diminuição no volume de negócios acima mencionado, justificam que a redução no volume de negócios foi de uma entidade que pode comprometer a viabilidade futura da empresa, desde que
o ministério responsável pelo trabalho o aprova.

Que eles não têm dívidas com a Administração Pública, a menos que essas dívidas estejam em processo de regularização.

Artigo 12. Modalidades

As empresas podem processar o aplicativo das seguintes maneiras:

a) A suspensão temporária de contratos de trabalho.

b) A redução do dia útil das pessoas assalariadas que não exceda 75% desse dia.

c) As duas formas proporcionais e / ou cumulativas anteriores, dependendo das necessidades da empresa e dos funcionários.

Artigo 17. Benefício das pessoas assalariadas

No cenário em que a suspensão temporária dos contratos de trabalho é aplicada, os funcionários receberão os seguintes benefícios nos seguintes termos:

  1. Salário Mínimo Interprofissional (SMI) (1.083,33 euros)
    O montante equivalente ao salário interprofissional mínimo (1.083,33 euros) para o dia legal ordinário ou para a parte proporcional é totalmente garantido
  2. Salário entre o SMI e o salário médio (1.083,33 euros a 2.129,44 euros)
    Caso o salário fixo do assalariado esteja localizado entre o salário mínimo interprofissional (1.083,33 euros) e o salário médio ( 2.129,44 euros), o aumento entre o salário mínimo e o salário fixo que o assalariado recebe é reduzido pelas seguintes porcentagens:

30% Entre 1.083,34 euros e 1.432,03 euros.

40%. Entre 1.432,04 euros e 1.780,74 euros.

50% Entre 1.780,75 euros e 2.129,44 euros.

  1. Salário entre o salário médio e o dobro (2.129,44 euros a 4.258,88 euros)
    No caso do salário fixo do assalariado, ele está localizado entre o salário médio (2.129,44 euros) e o dobro do salário salário médio (4.258,88 €), o aumento entre o salário médio e o salário fixo que o empregado recebe é reduzido pelas seguintes porcentagens:

70% Entre 2.129,45 euros e 2.839,25 euros.

80%. Entre 2.839,26 euros e 3.549,07 euros.

91% Entre 3.549,08 euros e 4.258,88 euros.

  1. Salário mais que o dobro do salário médio (mais de 4.258,88 euros)
    O benefício não é levado em consideração no cálculo do benefício, a parte do salário recebido pelo assalariado e excede o dobro do salário médio (4.258,88 euros) )

O pagamento do benefício da pessoa assalariada resultante das somas e reduções estabelecidas será suportado pela empresa e pelo Governo às taxas de 25 e 75%, respectivamente.

Artigo 18. Benefícios das pessoas que realizam uma atividade por conta própria
As pessoas que realizam uma atividade por conta própria suspensa, ambas obrigatoriamente por decreto do governo e voluntariamente, ou que está sujeito a um regime de guarda ou permanência por decreto do governo, eles têm o direito
de receber um benefício mensal de 1.083,33 €, apenas enquanto a suspensão obrigatória ou o regime de guarda ou permanência continuar.

Este benefício é calculado de acordo com a base de contribuição correspondente em fevereiro de 2020, próximo ao Fundo Andorrano de Seguridade Social, desde que seja uma das bases de contribuição mencionadas na tabela a seguir:

CITAÇÕES – TAXA – BASE DE SOU – DESEMPENHO
(euros brutos)
50,0% – € 234,24 – € 1.064,72 – € 1.083,33
62,5% – 292, € 80 – € 1.330,90 – € 1.083,33
75,0% – € 351,36 – € 1.597,08 – € 1.083,33
100,0% – € 468,48 – 2.129 , € 44 – € 1.083,33

IMPORTANTE: Os diretores da empresa não podem receber nenhum benefício.

Medidas de locação

Artigo 36. Redução do aluguel das instalações comerciais

Redução do aluguel das instalações para Negócios

Regulamento aplicável de 1º a 30 de abril desta Lei (Lei 3/2020, 1ª Lei Omnibus)

Em todos os arrendamentos para instalações comerciais, o aluguel atual do contrato é reduzido nas seguintes taxas, para o período de 14 de março de 2020 inclusive e no dia seguinte em que o governo declara o fim da situação de emergência sanitária causada pelo SARS-CoV2:

A) 100% no caso de instalações comerciais correspondentes a atividades que tenham cessado completamente sua atividade.

B) 80% no caso das instalações para negócios correspondentes a atividades sujeitas a um regime de guarda ou permanência, de acordo com o decreto aplicável do Governo.

C) 50% no caso de instalações comerciais correspondentes a atividades que devem permanecer abertas.

Regulamento aplicável a partir de 1 de maio de 2020

Em todos os arrendamentos para instalações comerciais, o aluguel atual do contrato é reduzido pelas seguintes taxas, pelo Ministério da Lei, pelo período a partir da data de entrada em vigor do esta Lei e o dia em que a suspensão obrigatória da atividade ou o regime de guarda ou permanência mencionados abaixo deixa de ser válida:

A) 100% no caso de instalações comerciais correspondentes a atividades suspensas compulsoriamente por decreto do Governo e voluntariamente, e a atividades sujeitas a um regime de guarda ou permanência por decreto do Governo.

B) 80% no caso das instalações para negócios correspondentes a atividades em aberto e autorizadas a abrir por decreto do Governo.

Regime transitório progressivo aplicável quando a suspensão obrigatória da atividade ou do regime de guarda e permanência deixa de ser válida:

Regime de atividades – Reduções no aluguel do aluguel para empresas, 1º mês pós, 2º, 3º, 4º.

Suspensão obrigatória ou voluntária – 100% 1º – 50% 2º – 25% 3º – 0% 4º

Regime de garantia ou permanência – 80% 1º – 40% 2º – 0% 3º – 0% 4º

Aberto – 50% 1º – 0% 2º – 0% 3º – 0% 4º

Viva da sua renda num país europeu, seguro e com qualidade de vida.


Residência sem fins lucrativos

A residência sem fins lucrativos é uma das formas que Andorra permite que cidadãos estrangeiros se estabeleçam no país. Destina-se a pessoas que, de acordo com sua situação, desfrutam de liberdade financeira e, portanto, pretendem viver, sem exercer nenhuma atividade laboral.

Neste artigo, explicamos com mais detalhe todas as nuances e condições necessárias para acessar esse tipo de residência.

Quais são as vantagens de viver em Andorra

O Principado de Andorra é um pequeno país localizado no coração dos Pirineus no continente europeu. Não pertence à União Europeia, mas talvez seja por isso que tem uma série de condições que se tornam muito atraentes para mudar a sua residência:

  1. condições fiscais muito interessantes que permitem poupanças substanciais em comparação com outros países,
  2. meio ambiente, qualidade de vida, segurança são outras razões para mudar aqui. Se você quiser saber mais, leia o nosso artigo.

Tipos de autorizações concedidas por Andorra

O Servei d’Immigració é a entidade governamental que gere o processamento de todas as autorizações de residência no país de acordo com a situação de cada cidadão. Em geral, as autorizações de residência são agrupadas em:

  1. residência ativa: que inclui funcionários, profissionais autônomos e empreendedores que desejam estabelecer seus negócios.
  2. residência passiva: qualquer pessoa que queira residir no país sem exercer uma atividade lucrativa. Aqui também estão incluídos profissionais com projeção internacional, por razões científicas, culturais ou esportivas.

Detalhes sobre a residência sem fins lucrativos (passiva)

Neste artigo, enfocamos a residência sem fins lucrativos, que condições se exigem e os procedimentos necessários.

A definição dada por Govern sobre este tipo de residência é:

Um residente passivo é uma pessoa singular que não goza da nacionalidade andorrana e que estabelece a sua residência principal e efetiva no Principado de Andorra sem exercer qualquer atividade laboral ou profissional.

Para se qualificar para esta residência, estes são os requisitos gerais que devem ser atendidos:

  • Demonstrar que o titular principal tem uma renda anual um 300% superior ao salário mínimo anual vigente, adicionando 100% desse indicador para cada um dos dependentes. Este aspecto há de ser atestado, entre outros, por meio de um certificado de aposentadoria e / ou pensão de invalidez, uma declaração de renda do ano anterior do último país de residência e as certificações bancárias correspondentes. Exemplo: por titular, salário-base x 12 meses x 3 (300%).
  • Ter cobertura e seguro para doença, incapacidade e velhice.
  • Ser proprietário ou alugar uma casa.
  • Assinar um compromisso de estabelecer a residência principal e efetiva e manter em vigor o referido seguro.
  • O titular principal deve depositar na Autoridade Financeira de Andorra (AFA) o montante de 50.000 euros não retribuídos. Além disso, também tem que depositar o montante de 10.000 euros não retribuídos para cada um dos seus dependentes.

Tipos de residência sem fins lucrativos e seus requisitos específicos:

Este modelo de residência em Andorra pode ser concedido em diferentes situações que detalhamos abaixo.

Residência sem atividade lucrativa

Para qualificar-se para esta permissão sem exercer nenhuma atividade remunerada no país, pede-se ao titular que faça um investimento:

  • Você deve investir de forma permanente e eficaz um montante de pelo menos 350.000 euros em um ou vários tipos de ativos listados abaixo:
    • Imóveis localizados no território do Principado de Andorra.
    • Participações no capital social ou no capital próprio de sociedades residentes no Principado de Andorra.
    • Dívida ou instrumentos financeiros emitidos por entidades residentes no Principado de Andorra.
    • Instrumentos de dívida emitidos por qualquer administração pública do Principado de Andorra.
    • Produtos de seguro de vida contratados com entidades residentes no Principado de Andorra.
    • Depósitos não retribuídos à Autoridade Financeira de Andorra (AFA).
  • Depositar na Autoridade Financeira de Andorra (AFA) o montante de 50.000 euros não retribuídos. Além disso, o proprietário principal também deve depositar o montante de 10.000 euros não retribuídos para cada um dos dependentes que adquirem o status de residente sem atividade remunerada.

Residência para profissionais com projeção internacional

Como o título explica, se por outro lado desenvolve uma atividade a nível internacional, estes são os requisitos necessários:

  • A sede ou a base na qual a atividade profissional é realizada deve estar localizada no território da Principado de Andorra.
  • Contar no máximo com uma pessoa contratada.
  • Pelo menos 85% dos serviços prestados pelo profissional devem ser utilizados em qualquer outro país ou território diferente do de Andorra.
  • Provar a viabilidade económica da atividade que pretende realizar e demonstrar que esta atividade gerará os recursos económicos suficientes que lhe permitem, tanto o titular como os seus dependentes, residir em Andorra.

Residência por razões de interesse científico, cultural e esportivo

Artistas, cientistas ou atletas que desfrutam de reconhecimento internacional por seu talento no mundo da ciência, cultura ou esportes.

  • Pelo menos 85% dos serviços prestados devem ser utilizados em qualquer outro país ou território diferente do de Andorra.
  • Deve provar que goza de reconhecimento internacional por seu talento no mundo da ciência, cultura ou esportes.

Em PSF podemos ajudá-lo

Residência sem fins lucrativos em Andorra. Casal que recebe as chaves da nova casa.

Em Plus Serveis i Família temos os conocimientos , a experiência e os recursos necessários para a ajudá-lo durante todo el proceso.

Estamos à disposição para responder suas perguntas e consultas -> https://psf.ad/contacta/

Todos nós já ouvimos falar do já conhecido, oficialmente pandêmico, coronavírus. Já deixou mais de 120 mil afetados em todo o mundo, incluindo os mais de dois mil casos detectados na Espanha. Enquanto isso, o que está acontecendo em Andorra?

Coronavírus em Andorra

Fora das controvérsias sobre os relatos da mídia sobre a situação de pânico que está se formando, o vírus em questão não tem a mesma incidência que a gripe sazonal pode ter, portanto afetará mais as pessoas em risco ou com a doença. patologias respiratórias anteriores.

Nesse contexto, é conveniente saber que, apesar da fácil expansão do COVID-19 (devido ao fato de ser um novo vírus para humanos), a presença e disseminação desse vírus pelas terras andorranas é praticamente nula e os As medidas de precaução e detecção estão sendo excelentes e eficazes.

Até o momento, a única pessoa afetada pelo coronoavírus já teve alta após dois testes negativos. Este é um jovem que viajou recentemente para Milão e estava em condições leves, por isso foi internado no Hospital Nostra Senyora em Meritxell por precaução. Os procedimentos sanitários pertinentes já foram realizados para realizar análises a seus familiares e amigos íntimos, a fim de evitar, dessa forma, uma possível propagação do vírus.

Dessa forma, não há pacientes em risco, nem pessoas pendentes de análise, o que é um sucesso completo, levando em consideração o estado atual de expansão do COVID-19. Obviamente, como medida preventiva, 12 pessoas próximas ao paciente que receberam alta estão em prisão domiciliar para evitar possíveis infecções ou incubações da doença. Além disso, essa medida também foi tomada para duas pessoas sentadas em um avião, juntamente com outra pessoa que foi diagnosticada com a doença em questão.

Como você pode ver, Andorra está fora de todo perigo, só teve um único paciente e não implica nenhum tipo de risco para a saúde de seus vizinhos ou, é claro, para todos os interessados ​​em visitá-lo nessas datas. A gestão dessa crise em nível global pelos serviços de saúde do Governo de Andorra está sendo excelente e eficaz, adotando medidas de prevenção, detecção e quarentena para proteger seus cidadãos de possíveis contágios e, assim, evitar a disseminação de informações. em larga escala.

Se você precisar de mais informações sobre a incidência de coronavírus, ou COVID-19, entre em contato conosco e resolveremos todas as suas dúvidas sobre coexistência e residência em Andorra, onde, como você pode ver, não há riscos para as pessoas.

Andorra é um pequeno país localizado nos Pirineus e que, desde o final da Segunda Guerra Mundial, se caracteriza pelo seu dinamismo econômico, graças a uma tributação vantajosa.

Porquê investir em Andorra

Andorra é um país que possui boa infra-estrutura rodoviária com o resto do continente, uma economia dinâmica e crescente e uma força de trabalho qualificada. Durante a década de 1950, deixou de ser um país isolado e pobre para ser um dos estados mais ricos do planeta, que o torna interessante para investir.

A forma de governo é o Coprincipado Parlamentar, desde a promulgação da Constituição de 1993. Os sucessivos governos foram caracterizados pela prudência, introduzindo reformas fiscais moderadas e priorizando a atividade econômica privada como motor do desenvolvimento econômico do país.

Antes de mais, é importante dizer que Andorra não é considerado um paraíso fiscal desde Fevereiro de 2011, quando os acordos de dupla tributação entraram em vigor com a Espanha, mas, mesmo assim, a tributação em Andorra é muito atraente na maioria dos impostos em relação aos seus vizinhos.

Segundo, embora Andorra não seja membro da União Européia, mantém um acordo de união aduaneira; portanto, os produtos não precisam pagar tarifas (exceto as agrícolas), e a moeda legal do país é o euro.

Por fim, deve-se notar que, juntamente com as reformas fiscais, Andorra abriu as portas para o investimento estrangeiro.

Impostos em Andorra

Investir en Andorra
Investir em Andorra: vantagens do país e impostos mais comuns.

Os impostos mais importantes em Andorra são o IGI, o imposto de sociedades, o IRPF, o IRNR que se destacam por terem taxas médias muito mais baixas do que as da Espanha e da França.

A tributação em Andorra é um dos seus principais valores, tanto para adquirir itens quanto para vendê-los ou estabelecer uma empresa e, é claro, no caso de querer residir neste pequeno país nos Pirenéus.

Imposto Geral Indireto (IGI)

O equivalente andorrano do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) é o Imposto Geral Indireto (IGI), com uma taxa de 4,5% para itens de consumo regulares, e há uma taxa reduzida de 1% e uma taxa super reduzida de 0%.

Em comparação, lembre-se de que a taxa geral de IVA é de 21% na Espanha e 20% na França.

Imposto de Sociedades (IS)

As possibilidades de investimento em Andorra são muito interessantes para quem deseja estabelecer uma empresa. Uma empresa em Andorra é regida pelo Impost de Societats, que é tributado em 10%, uma taxa realmente baixa em comparação com 25% na Espanha e 33,3% na França. 

Estruturas de negócios como o Holding tributam a 0%.

Para criar uma sociedade em Andorra, já não é mais necessário que um cidadão andorrano possua 49% da capital, como no passado. Hoje é possível que os não residentes estabeleçam empresas mercantis no país com garantias para investidores, com autorização prévia do governo.

Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF)

O Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF) de Andorra difere do que se aplica na Espanha ou na França por não ser progressivo, pois possui uma taxa geral de 10% para o rendimento de mais de 24.000 euros.

Em comparação, as taxas marginais na Espanha variam entre a isenção para a renda mais baixa e 45%, semelhantes às da França.

Imposto sobre Renda Não Residentes (IRNR)

O Imposto sobre Renda não Residentes (IRNR) é um imposto que o Governo de Andorra implementou no âmbito de medidas de harmonização fiscal com seu ambiente mais próximo. Registra os serviços ou rendimentos obtidos por não residentes no país dos Pirenéus com 10% do valor total; conferências, aluguel de casas, empregos temporários ou pensões estão incluídos.

No entanto, é importante observar que os dividendos recebidos de uma empresa sediada em Andorra, a venda internacional de bens e juros de capital móvel, estão isentos do IRNR, por isso continuam a oferecer interessantes vantagens comparativas sobre os valores tributários na Espanha. ou França. Não se deve esquecer que os dividendos, na Espanha, estão sujeitos a uma retenção na fonte de 19%.

Outros impostos

Finalmente, deve-se notar que em Andorra existem outros impostos que incluem a contratação de seguros, hidrocarbonetos, transferências de ativos, jogos e ganhos de capital em contas correntes, entre outros. Esses valores tributários são semelhantes aos vigentes na Espanha e na França.

Estabelecer um negócio em Andorra

Para criar uma empresa em Andorra, somente o capital mínimo e a autorização do governo são necessários no caso de ser estrangeiro. Os dois tipos de empresas mercantis que podem ser criadas são a Societat Limitada (SL) e a Societat Anònima (SA), com capital mínimo de 3.000 e 60.000 euros, respectivamente, semelhantes aos necessários na Espanha; há também a figura da propriedade exclusiva.

Este tipo de investimento em Andorra requer uma sede física no país e um administrador. Hoje, é possível ter 100% do capital estrangeiro, mas se você tiver mais de 10%, precisará solicitar uma autorização do governo. De qualquer forma, deve-se notar que, nos últimos anos, o governo de Andorra está especialmente interessado em promover o investimento estrangeiro, e os procedimentos foram acelerados, para que seja mais fácil investir.

Em Plus Serveis i Família, nos dedicamos principalmente a aconselhar e gerenciar tudo o que é necessário para que possa establecer-se i investir neste país.

Nós somos o Plus que você precisa, temos os Serviços que você precisa, nós o receberemos como Família.

Foto de Venta creada por jcomp – www.freepik.es

Explicamos em detalhe a estrutura educacional que faz de Andorra um país único

Se você está pensando em mudar de país com sua família, essa é uma questão importante. Onde meus filhos estudarão? Em que idioma? Que possibilidades e oportunidades eles terão?

Podemos dizer que a oferta escolar em Andorra é variada e muito completa. Mas, para entender o sistema educacional, é necessário conhecer um pouco de sua história. Explicaremos todas as opções e várias informações de interesse a considerar.

Os diferentes sistemas educacionais existentes em Andorra

A coexistência de diferentes sistemas educacionais ganhou uma considerável complexidade nas últimas décadas.

Andorra está localizada nos Pirineus, entre França e Espanha. Em sua história, remontamos ao século XIII, onde começou a ser um co-principado entre os países vizinhos. Atualmente, é um co-principado parlamentar e, por esse motivo, podemos encontrar três sistemas educacionais no país: andorrano, francês e espanhol.

A história e evolução do sistema educacional em Andorra.

Uma pequena análise histórica explica as características essenciais desse sistema educacional. Em 1882, as primeiras escolas congregacionais foram estabelecidas em algumas cidades. Em 1900, foram abertas as primeiras escolas francesas e, 30 anos depois, as primeiras escolas espanholas. Até 1968, também se instalaram as três principais escolas congregacionais (sistema espanhol) que ainda existem no país: Sagrada Família, Sant Ermengol e Mare Janer.

Em 1972, foi detectada a necessidade de preservar a identidade e as peculiaridades do país em sua educação. Assim, é lançado um programa de formação da Andorrana em sistemas de ensino estrangeiros. Ensinando a língua catalã e a história, geografia e instituições de Andorra. Dez anos depois, o governo finalmente criou seu próprio sistema educacional, a Escola Andorrana. 

A partir daí, a oferta foi complementada com:

  • formação profissional,
  • educação especial,
  • formação para adultos e 
  • ensino superior.

A oferta escolar actualmente

Podemos dizer que a oferta da escola é ampla e você pode escolher a escola entre várias opções.

sistemas educacionais

Você pode fazer toda a etapa da escola considerada obrigatória em qualquer um dos três sistemas:

Para concluir a oferta das escolas privadas, recentemente instalou-se British College of Andorra.

Informações adicionais:

  • a escolaridade é obrigatória de 6 a 16 anos.
  • No entanto, existe o ciclo Maternal, de 3 a 6 anos (excepcionalmente em Andorra, eles aceitam crianças com 2,5 anos).
  • Com exceção dos centros privados, todos os sistemas educacionais são gratuitos.
  • O transporte escolar é providenciado pelo governo de Andorra: https://www.educacio.ad/transport-escolar
  • Sendo um país de neve, o esqui é uma atividade obrigatória para todos os alunos em todos os sistemas educacionais https: //www.educacio .ad / ski-escola

Escolher a melhor opção de ensino para os seus filhos pode ser uma decisão difícil. E mais ainda se o motivo é por uma mudança de país. Podemos dizer que as opções em Andorra são variadas e oferecem muitas oportunidades, pois podem optar por estudos universitários tanto em Andorra, quanto na França e na Espanha.